Pular para o conteúdo

Carro dos Sonhos: A agilidade da aranha

Carro dos Sonhos: A agilidade da aranha

Potente e desenrolado para cortar o ar garantindo muita performance e segurança, o Roma Spider é um desses fora de série que a indústria automotiva usa para mostrar do que é capaz

“Alto desempenho, elegância atemporal e interpretação contemporânea do elegante estilo italiano dos anos 1950 e 1960”. É assim que a Ferrari define seu mais recente lançamento, o super modelo Roma Spider. Alguns números da máquina: motor 3.8 com 620 cavalos de potência, 80% do torque máximo com apenas 1.900 rpm e capacidade de levar o carro de 0 a 100 km por hora em 3,4 segundos.
Com as mesmas proporções, dimensões e especificações do conceito V8 2+2 (motor de oito cilindros em um modelo com espaço para duas pessoas na frente e duas atrás) da Ferrari Roma, a Spider recebeu o destaque da fábrica pelo fato de trazer uma capota flexível. Essa solução de design, diz a Ferrari, marca os 54 anos de seu uso no 365 GTS4, de 1969. Ela diz que isso representa “o glorioso retorno da capota flexível a um carro Ferrari com motor central dianteiro”.
A capota, aliás, é um dos itens que fazem parte do kit de personalização do modelo. O proprietário pode escolher entre várias opções de tecidos e padrões de costura. Para combinar o recurso com as características de desempenho da Spider, a abertura e o fechamento do teto leva apenas 13,5 segundos mesmo o carro estando a 60 km por hora.
E falando em controle de aerodinâmica, um dos principais recursos do supercarro é o Side Slip Control. Trata-se de um controle eletrônico usado na Fórmula 1 que usa um algoritmo desenvolvido pela Ferrari e envolve comandos na tração das rodas e na suspensão para evitar derrapagens. Ao longo da condução e de forma extremamente rápida e precisa, os dados são colhidos pelo sistema para coordenar e implementar intervenções.
O motor do modelo é acoplado a uma caixa de câmbio DCT de 8 velocidades da Ferrari. Para quem não está familiarizado com o termo, a sigla vem de Dual Clutch Transmission (Transmissão de Dupla Embreagem). Trata-se de um sistema em que as marchas pares são acionadas por uma embreagem e as ímpares por outra. Assim, quando uma marcha está desengatando a outra já está pronta para tomar lugar. Dentre as vantagens desse câmbio estão a rapidez nas trocas e a eficiência mecânica – dois requisitos primordiais em um modelo de alto desempenho.
De acordo com a Ferrari, uma série de novidades foi desenvolvida para a Roma Spider. Dentre elas estão um compartimento de bagagem que inclui uma escotilha no encosto do banco traseiro para transportar itens maiores, assentos aquecidos ergonômicos ajustáveis em 18 opções até um um aquecedor de pescoço, como equipamento opcional, para os dias mais frios.
O consumo, informação cada vez mais importante, nos dias de hoje, principalmente entre veículos a combustão, não foi divulgado pela Ferrari do Brasil. Mas na Europa, o modelo recebeu diferentes números, que variam de acordo com a velocidade. Rodando até 56,5 km por hora, ela faz pouco mais de 5 km por litro. No outro extremo, entretanto, acima de 131 km por hora, ela chega a aproximadamente 9,6 km por litro.
E agora, o “precinho”. Infelizmente a Ferrari reproduziu o mau hábito de muitas montadoras e não colocou essa informação de forma clara. Por isso, tivemos de recorrer à internet. Pelo que apuramos, no Brasil o modelo fica na casa dos R$ 4 milhões – coisa realmente para muitos sonhadores ficarem só na vontade e poucos afortunados capazes de lidar com esse valor para um carro.