Pular para o conteúdo

Conscientização ainda é desafio

Conscientização ainda é desafio

Após 21 anos da “Lei do Cinto”, quase 70% dos passageiros de bancos traseiros morreram em acidentes nas rodovias brasileiras por não usar o equipamento

Pesquisa realizada pela Agência de Transporte do Estado de São Paulo (Artesp) sobre o uso do cinto de segurança nas rodovias, mostrou números preocupantes. Descobriu-se que 53% dos passageiros que transitam no banco traseiro, 15% dos passageiros no banco dianteiro e 13% dos motoristas não usam cinto de segurança. O mesmo levantamento expôs que, de 2012 a 2014, 69,4% dos passageiros de bancos traseiros que morreram em acidentes nas rodovias estavam sem cinto de segurança. As vítimas fatais no banco da frente de passageiro sem cinto chegam a 38,4% e a 50,1% quando se trata de motoristas. Não à toa, o não uso do cinto está elencado entre os principais fatores de risco à segurança viária no Plano Global da ONU (Organização das Nações Unidas).
Porém, nem dados como esses, nem a noção do grave risco que corre quem se desloca sem o dispositivo foram suficientes para, 21 anos depois de ser determinado como obrigatório em todo território nacional, conscientizar motoristas e passageiros sobre a importância do uso do cinto de segurança. Esse ainda é um desafio a ser superado, o que torna campanhas com essa finalidade necessidade constante.
Para Luiz Gustavo Campos, diretor e especialista da Perkons Mobilidade e Segurança no Trânsito, educação para o trânsito é essencial para conscientizar e melhorar esse cenário. “Cada cidadão precisa exercer seu protagonismo no trânsito, para que as ruas e vias do Brasil e do mundo se tornem mais seguras. Movimentos como a “Década de Ação pela Segurança do Trânsito”, estabelecida pela ONU, entre tantas outras, só terão sucesso com a adesão consciente de cada um de nós. É preciso que todos entendam que atitudes simples, como usar cinto de segurança, salvam vidas. Campanhas de educação e conscientização sempre auxiliam nesse objetivo”, enfatiza Campos.
Sentindo na pele – com o objetivo de conscientizar motoristas e passageiros para a importância do uso do cinto de segurança, a Artesp elaborou uma série de ações educativas. Entre elas, foi desenvolvido um simulador de impacto. Ao passar pela experiência do simulador a pessoa vivenciava a força do impacto de uma batida (o equipamento simulava o choque de uma colisão a 5 km/h), e mesmo à baixa velocidade ampliava a sensibilidade para a importância do uso do cinto de segurança.
O equipamento foi usado entre 2016 e 2017, passou por 50 municípios do estado de São Paulo e contou com a participação de mais de 30 mil pessoas. Segundo a entidade, ações como o do simulador de impacto têm por objetivo consolidar um pensamento coletivo para diminuir, cada vez mais, negligências, imperícias e imprudências no trânsito.
Multa – a falta do uso do cinto de segurança gerou 213.356 infrações nas rodovias federais em 2017, segundo dados da Polícia Rodoviária Federal. Destas, 143.913 foram pela falta de uso do dispositivo pelo condutor e 69.443 pelos passageiros. A responsabilidade legal da utilização do cinto de segurança é do motorista, que deve conscientizar, orientar, observar e cobrar o uso do item por parte de todos os ocupantes do veículo.
A penalidade para o condutor quando um passageiro é flagrado sem o cinto de segurança é a mesma quando ele próprio está sem ele, resultando em uma infração grave sujeita à multa no valor de R$ 195,23, retenção do veículo até colocação do cinto pelo infrator e cinco pontos na carteira, conforme artigo 167 do CTB – Código de Trânsito Brasileiro.