Pular para o conteúdo

Chery Omoda Híbrido: Um Chery mais classudo

Chery Omoda Híbrido: Um Chery mais classudo

SUV da marca Omoda é esperado no Brasil ainda esse ano e não poupa em design e tecnologia, prometendo um consumo que pode chegar a 18 km por litro na versão híbrida

Primeiro as marcas chinesas chegaram ao Brasil com carros mais simples que não tiveram recepção dos consumidores brasileiros, que ainda teimam em associar carro a status e não a mobilidade. Depois elas voltaram, dessa vez com opções bem mais caras e bem acabadas, o que agradou a classe média. Agora, elas já partem para o lançamento de novas marcas que remetem a mais sofisticação e tecnologia. É o caso da Chery, que irá trazer ainda esse ano a Omoda.
Segundo a empresa, que já trouxe dois modelos para o vizinho Uruguai (com o qual o Brasil tem acordo de livre comércio através do Mercosul), trata-se de uma “marca de crossover SUV futurista que aproveita o melhor do universo jovem”. São dois modelos disponíveis, o C5 e o E5. Os designs interno e externo de ambos são praticamente os mesmos, sendo diferentes os tipos de propulsão. Então, quando falarmos dos itens do C5, subentende-se que isso também inclui o E5.
E começando pelo que eles têm de diferente, o C5 tem motor híbrido do tipo MHEV, também chamado de híbrido moderado. Esse sistema funciona com uma assistência elétrica para economizar combustível. No caso do C5, trata-se de uma bateria de 48 V e um gerador que assume algumas funções, poupando esforço do motor a combustão – um 1.5 turbo com 147 cavalos de potência e 21,4 kgf.m de torque que funciona com câmbio CVT de 9 velocidades. Vale ressaltar que nos carros MHEV não é possível rodar só com um motor elétrico (desligando totalmente o motor a combustão), como acontece em outros tipos.
A promessa da montadora com a propulsão híbrida é um consumo médio de gasolina que chega a 16,2 km por litro e até 18,3 na estrada. Para um SUV com 4,4 metros de comprimento e motorização com um turbocompressor, são números bastante razoáveis. Já o “irmão” do C5, o E5 100% elétrico, tem capacidade de rodar 430 km com carga completa, segundo a Chery, e uma motorização com 204 cavalos de potência e 34,6 kgf.m de torque imediato.
Em termos de tecnologia e design, o modelo não economiza. Se muitas marcas hoje estão colocando duas telas digitais separadas, no C5 elas estão em um suporte único, o que dá um aspecto futurista ao visual. Ambas são de alta resolução e têm 10,25” cada uma. O sistema multimídia tem conexão com Android Auto e Apple CarPlay e permite carga por indução para dois smartphones ao mesmo tempo.
Outro recurso que merece destaque é o sistema de segurança ativa ADAS (Advanced Driver Assistance Systems) que inclui controle de cruzeiro adaptativo (piloto automático com sensor que acompanha a velocidade do veículo à frente), advertência de colisão frontal, freio autônomo de emergência, advertência de mudança de faixa, controle de manutenção de faixa e mudança automática de luzes baixas ou altas.
No site oficial da Omoda no Uruguai, o C5 é anunciado por 30 mil dólares e o E5 por 43 mil. Fazendo a conversão para o nosso pobre real, isso daria, respectivamente, cerca de R$ 155 mil e R$ 221 mil. Considerando que o Uruguai tem tratado comercial com o Brasil através do Mercosul, seriam esses os preços dos modelos, caso cheguem ao Brasil? Como não houve lançamento oficial, é preciso esperar.
Vale ressaltar que o C5 é vendido em outros mercados, com preços em dólar e motorizações diferentes. No site internacional da Chery, por exemplo, ele é apresentado com um motor turbo 1.6 com 197 cavalos. Mas nossa referência mais óbvia é o modelo do Uruguai, por isso os dados foram obtidos no site oficial daquele país. Agora é conferir se por aqui teremos particularidades em relação a valores e versões.